quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

21º Capitulo: "Lá porque acabas-te comigo e já estás com ela..."

A entrar pela porta do restaurante estava a Tamara, a ex-noiva do Ezequiel. Ela vinha sorridente e toda airosa, não entendi o porque da sua presença. Ela olhou-nos e avançou na nossa direcção. 
- Ela já sabe, certo? - perguntou o Gonzalo. 
- Sabe - o Ezequiel bufou e levantou-se. A Tamara finalmente parou quando chegou perto dele. 
- Buenas noches.
- Que háces aqui? 
- Desculpa se te vim estragar a noite, mas soube do que se passou.
- Como soubeste? 
- Jornais. 
O que?! Como é que está história toda tinha ido parar aos jornais? Ainda por cima em Espanha. Uma vez que o Gonzalo era de lá resolvi tirar a minha dúvida. 
- Tu sabias da história antes de cá chegares? 
- Não... eu fiquei a saber de manha, quando falamos no parque. 
- Então como é que ela sabe? 
- Não faço ideia. 
O Gonzalo começou a pesquisar no telemóvel e eu voltei a dar atenção à conversa. 
- Porque vieste? 
- Lá porque acabas-te comigo e já estás com ela - olhou para mim, voltando logo em seguida a dirigir-se ao Ezequiel - continuo a preocupar-me contigo. 
- Porque não vão falar para outro sitio? - sugeri... não era algo que me apetecesse, mas já estava o restaurante todo a olhar para nós e escusava-se de dar nas vistas. 
- A tua namoradinha até tem alguns neurónios. 
- Caso me lembre não lhe faltei ao respeito. 
- Desculpa!? Essa é para mim? 
- Eu não quero armar um escândalo aqui, porque não é essa a minha intenção. 
Virei-me de novo para a frente e olhei para o Gonzalo. 
- Não há notícias em lado nenhum do assalto à casa do Ezequiel. 
- Então como é que ela sabe? 
- Eu não faço ideia - mantivemo-nos atentos ao comportamento dos dois, que já estavam numa outra parte do restaurante. 
Passado um bom bocado a Tamara começou a encaminhar-se de novo para o sitio onde estávamos. 
- Continuação de um bom jantar - disse com um sorriso algo para o irritante na cara e saiu do restaurante. O Ezequiel voltou para junto de nós e sentou-se de novo ao meu lado. 
- Como é que a notícia já está toda em Madrid? 
- Não está Eze... - respondeu-lhe o Gonzalo. 
- Como não está? A Tamara sabe de quase tudo. 
- Pois, mas o Gonzalo andou a ver e não há nada sobre isto na internet. 
- É impossível... ela sabe de tudo! Tem de haver algo... só se foi ela que fez isto tudo.
Confesso que aquele pensamento já me tinha passado pela cabeça, mas o assaltante estava morto... como é que ela sabia? 
- Isso é quase impossível - comentei. 
- Não é assim tão impossível - começou o Gonzalo - poderiam ser mais que um... e ela saber. 
- Mesmo assim! Eu penso que ela não iria fazer nada disso... - acreditava no que dizia... se ela o amou/ama não deveria ser capaz de tamanha loucura.
- Podemos esquecer o que aconteceu? Eu não quero saber se ela sabe, como sabe ou o que fez... eu só quero esquecer o que se passou e aproveitar esta noite com vocês os dois. 
- Não vais insistir com ela? 
- Não... quero-a longe daqui. Longe da minha vida.
- Como queiras, mano. 
Continuamos a jantar dentro dos possíveis, mas à medida que o tempo e a garrafa do vinho iam avançando os ânimos iam ficando muito mais alegres e amistosos.
Acabado o jantar, já um pouco para o tarde, voltamos de novo para casa do Ezequiel. 
Estávamos a entrar quando o Gonzalo falou: 
- Mano, eu tenho de ir. Tenho avião daqui a nada.
- Já? Porque não ficas para amanhã?
- Não dá, tenho treino logo de manhã. 
- Oh... vai então. Para a próxima vamos nós lá a Madrid.
- Lá vos espero... - o Gonzalo dirigiu-se a mim e deu-me dois beijinhos - foi um prazer conhecer-te. Trata bem do mano.
- Vou tratar dele melhor do que me trato a mim mesma. 
- A tua miúda...
- Ei! Vê lá o que é que sai dessa grande boca - avisou o Ezequiel. 
- Só ia dizer que ela é uma querida.
- Ias, ias...
- Já não acreditas em mim?
- Acredito, mas quando estás 100% sóbrio. 
- Que exagerado! Bem, mas tenho de ir. 
- Queres que te vá deixar ao aeroporto? 
- Não. Eu vou de táxi. 
- Então vamos falando - o Ezequiel abraçou-o - foi bom ter-te cá hoje mano. 
- Eu também te amo, meu douradinho - desmanchei-me a rir, assim como eles os dois. 
O Gonzalo acabou por se começar a afastar de casa e nós entramos. 
Começamos a ir para a sala, mas o Ezequiel começou a ressentir-se e ficou tenso. 
- Queres ir antes para o teu quarto? - perguntei-lhe. 
- Não te importas? 
- Claro que não. 
- Então vamos. 
Fomos até ao quarto dele e acabamos por nos esticar em cima da cama. 
- Desculpa a cena da Tamara... 
- Tu não tens de pedir desculpa. Ela conhece-te, tu conhece-la e têm um passado que eu não posso apagar... simplesmente o posso tornar ainda mais passado. 
- Agrada-me essa ideia - ele beijou-me os lábios. Era um beijo ternurento e carregado de amor, todo o nosso amor - mas para tornares o passado ainda mais passado, não precisas de fazer muito mais. O teu perdão bastou. 
- Eu não quero que isto te afecte, mas acho que o teu estado de choque te deixou ainda mais perfeito. 
- Não me afectas... estás a dizer algo que eu já pensei. 
- Grande convencido ao achares-te perfeito. 
- Não é isso tonta - ele sorriu e retomou o raciocínio - aquela noite fez-me dar ainda mais valor às pessoas que amo e com quem quero estar. 
- Estamos de acordo - ele voltou a juntar os nossos lábios e prolongamo-lo um pouco mais do que o anterior. 
- Já tens alguma ideia para o destino da nossa viagem? - perguntou-me ele animado. 
- Ainda não tinha pensado muito nisso, mas podemos pensar em algo juntos. 
- Vou buscar o tablet - ele levantou-se, indo até à cómoda e vindo de lá com o tablet nas mãos. 
As nossas opiniões divergiam um bocadinho. O Ezequiel queria algo com campo e ar puro, eu queria mar, areia e sol. Depois de quase uma hora a "discutirmos" conseguimos chegar a um consenso e achar o lugar perfeito. De certo que seria a melhor viagem da minha vida. Com o homem que amo, num sitio lindo e sozinhos. Só eu e ele, sem ninguém para nos "chatear" e com a possibilidade de estarmos a beijarmo-nos sem pensar que está alguém ao pé. 

6 comentários:

  1. Não gostei nada deste regresso da Tamara... cá para mim isto ainda vai dar confusão :s

    Bjs

    Mari

    ResponderEliminar
  2. eheh, acertei (:
    mas afinal ela tem alguma coisa a ver com a historia do assalto? ((:
    quero mais *o*
    beijinhos, Débora *

    ResponderEliminar
  3. Olá!
    Bingo! Acertei! Mas não quero acreditar que ela tenha feito tal atrocidade! Esperemos é que não volte a aparecer porque não faz falta nenhuma. O que faz falta é mesmo essa viagem e mais momento do género "tambem te amo, meu douradinho" ahahahahah nao imaginas o quanto ri!
    Espero o proximo!

    Besito
    Ana

    ResponderEliminar
  4. Adorei!!
    Continua que eu quero saber o desenrolar dessa história da Tamara saber o que sabe sem Espanha saber...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Caraças para esta tâmara mal cheirosa!
    O que raio é que a gaja sabe? Porque é que sabe? E como sabe?
    Não gosto dela UNF mas tenho de admitir k a entrada dela traz muita vida à história!
    Keep going =P

    ResponderEliminar